Ganhe R$ 10,00

Brintellix 10mg Com 30 Comprimidos

Medicamento de venda exclusiva somente em lojas físicas

Por determinação da portaria 44/2009 da ANVISA, este produto não está disponível para venda online.
Compre este medicamento em uma de nossas lojas*.

Brintellix 10mg com 30 comprimidos é um medicamento controlado. Seu uso pode trazer riscos. Procure um médico ou um farmacêutico. Leia a bula.

R$ 224,90
Nossas Lojas

*Consulte a disponibilidade do produto na loja.

Especificações
Princípio Ativo:Vortioxetina
Bula: Veja a bula
Registro MS:1047500520056
Receita:Sim, B1 Azul
Tipo do medicamento:Referência

Indicação

Brintellix é indicado para o tratamento de transtorno depressivo maior em adultos.

Como brintellix funciona?

O Brintellix contém a substância ativa vortioxetina. Ele pertence a um grupo de medicamentos chamados antidepressivos e foi prescrito pelo seu médico para tratar a sua depressão.

O Brintellix mostrou reduzir uma ampla gama de sintomas depressivos, incluindo tristeza, tensão interna (sensação de ansiedade), alterações do sono (redução do sono), redução do apetite, dificuldade de concentração, sensação de inutilidade, perda de interesse nas suas atividades favoritas, sensação de estar desacelerado.

O mecanismo de ação da vortioxetina está relacionado à sua atividade multimodal, que é uma combinação de mais de um modo farmacológico de ação. Logo, pensa-se que essas ações farmacológicas multimodais sejam responsáveis pelos efeitos antidepressivo, ansiolítico , pela melhora da função cognitiva, do aprendizado e da memória observados com a vortioxetina nos estudos em animais e em humanos.

Contraindicação

Não tomar o Brintellix se você:

  • - for alérgico à vortioxetina ou a qualquer um dos componentes mencionados anteriormente.
  • - estiver tomando outros medicamentos para depressão conhecidos como “inibidores de monoaminoxidase não-seletivos” ou “inibidores seletivos da MAO-A”. Pergunte a seu médico caso não tenha certeza.

Como usar

Sempre tomar o medicamento exatamente como seu médico instruiu. Verificar com seu médico ou farmacêutico se não tiver certeza.

A dose normalmente recomendada do Brintellix é de 10 mg de vortioxetina tomada como uma dose diária em adultos abaixo de 65 anos de idade. A dose pode ser aumentada por seu médico até, no máximo, 20 mg de vortioxetina por dia ou reduzida até o mínimo de 5 mg de vortioxetina por dia.

Modo de usar

Engolir os comprimidos com água, sem mastigá-los,
Os comprimidos podem ser tomados com ou sem alimentos.

Este medicamento não deve ser partido, aberto ou mastigado.

Pacientes idosos (> 65 anos de idade)

Não é necessário ajuste da dose em pacientes idosos.

Crianças e adolescentes (<18 anos)

O Brintellix não é recomendado para crianças e adolescentes menores de 18 anos devido à falta de informações para esta faixa etária.

Este medicamento não é recomendado em crianças

Função renal reduzida

Os dados disponíveis para pacientes com comprometimento renal grave são limitados. Sendo assim, recomenda-se cautela. Consulte seu médico.

Função hepática reduzida

A vortioxetina não foi estudada em pacientes com comprometimento hepático grave e recomenda-se cautela.Consulte seu médico.

Duração do tratamento com o  Brinteliix

Utilize o Brintellix pelo tempo que seu médico recomendar.

Continue a tomar o Brintellix mesmo que demore algum tempo antes que você sinta qualquer melhora em sua condição.

O tratamento deve continuar por pelo menos 6 meses depois de você sentir-se bem novamente.
Não pare de tomar o Brintellix sem o conhecimento do seu médico.
Se você tiver qualquer dúvida sobre o uso deste medicamento, consulte seu médico ou farmacêutico.

Precauções

Converse com seu médico ou farmacêutico antes de utilizar o Brintellix se você:

-  estiver em uso de medicamentos com um efeito chamado serotoninérgico, como:

  • - tramadol (um analgésico forte),
  • - sumatriptano e medicamentos semelhantes terminados em “triptanos” (usados no tratamento da enxaqueca)
  • Tomar esses medicamentos junto com o Brintellix pode causar uma síndrome serotoninérgica. Esta síndrome pode ser associada com alucinações, contrações musculares involuntárias, aceleração dos batimentos cardíacos, aumento da pressão arterial, febre, náusea e diarreia.

-  já teve desmaios (convulsões).
Seu médico irá monitorá-lo cuidadosamente se você tem histórico de convulsões ou tem transtornos convulsivos instáveis/epilepsia. Convulsões são um risco em potencial com medicamentos antidepressivos. O tratamento deve ser descontinuado em qualquer paciente que desenvolva convulsões ou quando houver um aumento na frequência das convulsões.

  • -  já teve mania
  • -  tem uma tendência a sangramentos ou formação de hematomas facilmente.
  • -  tem baixos níveis de sódio no sangue.
  • -  tem 65 anos ou mais
  • -  tem uma doença grave nos rins
  • -  tem uma doença grave no fígado ou uma doença do fígado chamada cirrose.

Pensamentos sobre suicídio e piora de sua depressão

Se você está deprimido e/ou tem transtornos de ansiedade poderá por vezes pensar em se machucar ou se matar. Estes pensamentos podem aumentar quando utilizar pela primeira vez um antidepressivo, pois estes medicamentos necessitam de tempo para começar a agir no organismo, geralmente em torno de duas semanas, mas algumas vezes mais.

É mais provável que você pense desta forma se você:

  • 􏰁  já tiver tido pensamentos de se matar ou de causar ferimento a si próprio.
  • 􏰁  for um adulto jovem.

Informações de estudos clínicos mostraram um maior risco de comportamento suicida em adultos com idade inferior a 25 anos com doenças psiquiátricas tratadas com antidepressivos.

Se você tiver pensamentos de suicídio ou de causar ferimento a si próprio a qualquer momento, contatar o seu médico ou ir a um hospital imediatamente. Você pode achar útil dizer a um parente ou amigo próximo que você está deprimido ou tem um transtorno de ansiedade e pedir a eles que leiam a bula. Você pode pedir a eles que lhe digam se acharem que a sua depressão ou ansiedade está piorando ou se estiverem preocupados com mudanças no seu comportamento.

Reações Adversas

Como todos os medicamentos, o Brintellix pode causar reações adversas, apesar de que nem todos os pacientes as apresentam.

As reações adversas são geralmente leves e ocorrem durante as primeiras semanas de tratamento. Estas reações são geralmente temporárias não sendo necessária a interrupção do tratamento. Por favor, esteja ciente que muitos desses efeitos podem ser sintomas da sua doença e, portanto, irão melhorar a medida que você começar a ficar melhor.

Procure o seu médico se você apresentar algum dos efeitos adversos listados abaixo durante o seu tratamento:

Reação muito comum - ocorre em mais de 10% (> 1/10) dos pacientes que utilizam este medicamento:

  • 􏰀 Náusea.

Reação comum - ocorre entre 1% e 10% (> 1/100 e ≤ 1/10) dos pacientes que utilizam este medicamento:

  • 􏰀 Diarreia, constipação, vômitos
  • 􏰀 Tontura
  • 􏰀  Coceira em todo o corpo
  • 􏰀  Redução do Apetite
  • 􏰀  Sonhos anormais

Reação incomum (ocorre entre 0,1% e 1% (> 1/1.000 e ≤ 1/100) dos pacientes que utilizam este medicamento):

  • 􏰀  Ranger os dentes
  • 􏰀  V ermelhidão
  • 􏰀  Sudorese noturna

Um aumento do risco de fraturas ósseas foi observado em pacientes que utilizam esse tipo de medicamento.

Relato de eventos adversos

Se você apresentar qualquer evento adverso, informe seu médico ou farmacêutico. Isso inclui qualquer evento adverso, mesmo os não listados nesta bula. Ao relatar eventos adversos, você estará ajudando na obtenção de mais informações sobre a segurança deste medicamento.

 Atenção: este produto é um medicamento novo e, embora as pesquisas tenham indicado eficácia e segurança aceitáveis, mesmo que indicado e utilizado corretamente, podem ocorrer eventos adversos imprevisíveis ou desconnhecidos. Nesse caso, informe seu médico ou cirurgião-dentista.

População Especial

Gravidez, amamentação e fertilidade

Caso esteja grávida ou amamentando, pense que possa estar grávida ou esteja planejando ter um bebê, peça conselhos a seu médico antes de tomar este medicamento.

Gravidez

O Brintellix não deve ser usado durante a gravidez, a menos que o médico diga que é absolutamente necessário.

Caso utilize medicamentos para tratar depressão, o que inclui o Brintellix, durante os últimos 3 meses de sua gravidez, você deve estar ciente de que os efeitos a seguir podem ser observados em seu recém-nascido: problemas com respiração, pele azulada, mudanças da temperatura do corpo, dificuldades de alimentação, vômitos, baixo nível de açúcar no sangue, músculos rígidos ou flácidos, reflexos vívidos, tremor, nervosismo, irritabilidade, letargia, choro constante, sonolência e dificuldades para dormir. Contatar seu médico imediatamente caso seu recém-nascido tenha qualquer um desses sintomas.

Certifique-se de que seu obstetra e/ou médico saiba que você está tomando o Brintellix. Quando tomados durante a gravidez, particularmente nos últimos 3 meses de gravidez, medicamentos como o Brintellix podem aumentar o risco de uma condição grave em bebês, chamada hipertensão pulmonar persistente do recém- nascido (PPHN), fazendo com que o bebê respire mais rápido e tenha aparência azulada. Esses sintomas geralmente começam durante as primeiras 24 horas após o nascimento do bebê. Se isso acontecer com seu bebê, você deverá contatar seu obstetra e/ou médico imediatamente.

Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista.

Amamentação

É esperado que os componentes do Brintellix passem para o leite materno. O Brintellix não deve ser utilizado durante a amamentação. Seu médico irá decidir entre suspender a amamentação ou suspender o uso do Brintellix considerando o benefício da amamentação para o seu bebê e o benefício da terapia para você.

Fertilidade

Alguns antidepressivos como a vortioxetina podem reduzir a qualidade do esperma em animais. Teoricamente, isso pode afetar a fertilidade. A vortioxetina não mostrou este efeito nos estudos em animais; e até o momento não foi observado impacto na fertilidade em humanos.

Condução de veículos e utilização de máquinas

O Brintellix tem pouca ou nenhuma influência na capacidade de dirigir ou operar máquinas. Entretanto, recomenda-se cautela nestas atividades no início do tratamento com o Brintellix ou quando houver alteração da dose.

Riscos

ATENÇÃO: ESTE PRODUTO É UM MEDICAMENTO NOVO E, EMBORA AS PESQUISAS TENHAM INDICADO EFICÁCIA E SEGURANÇA ACEITÁVEIS, MESMO QUE INDICADO E UTILIZADO CORRETAMENTE, PODEM OCORRER EVENTOS ADVERSOS IMPREVISÍVEIS OU DESCONHECIDOS. NESSE CASO, NOTIFIQUE OS EVENTOS ADVERSOS PELO SISTEMA DE NOTIFICAÇÕES EM VIGILÂNCIA SANITÁRIA – NOTIVISA – DISPONÍVEL EM WWW.ANVISA.GOV.BR, OU PARA A VIGILÂNCIA SANITÁRIA ESTADUAL OU MUNICIPAL

Composição

Brintellix 10 mg: contém 10 mg de vortioxetina (substância ativa desse medicamento) equivalente a 12,71 mg de bromidrato de vortioxetina. Contém também os excipientes: manitol, celulose microcristalina, hidroxipropilcelulose, amidoglicolato de sódio (tipo A), estearato de magnésio, hipromelose, macrogol 400, dióxido de titânio, óxido férrico amarelo.

Superdosagem

Caso você tome mais do que a dose prescrita do Brintellix, contate seu médico ou o departamento de emergência do hospital mais próximo imediatamente. Leve a embalagem e qualquer comprimido que sobrar. Faça isso mesmo que não haja sinais de desconforto. Os sinais de superdose são tontura, náusea, diarreia, desconforto estomacal, coceira em todo o corpo, sonolência e vermelhidão.

Interação Medicamentosa

A vortioxetina é amplamente metabolizada no fígado primariamente através da oxidação e a subsequente conjugação de ácido glicurônico. In vitro, as isoenzimas do citocromo P450 CYP2D6, CYP3A4/5, CYP2C19, CYP2C9, CYP2A6, CYP2C8 e CYP2B6 estão envolvidas no metabolismo da vortioxetina (vide a seção “CARACTERÍSTICAS FARMACOLÓGICAS”).

POTENCIAL PARA OUTROS PRODUTOS MEDICINAIS AFETAREM A VORTIOXETINA

IMAO irreversíveis não-seletivos

Devido ao risco de Síndrome Serotoninérgica, a vortioxetina é contra-indicada em qualquer combinação com IMAO irreversíveis não-seletivos. A vortioxetina não deve ser iniciada por pelo menos 14 dias após a descontinuação do tratamento com um IMAO irreversível não-seletivo. A vortioxetina deve ser descontinuada por pelo menos 14 dias antes do início do tratamento com um IMAO irreversível não-seletivo (vide seção “CONTRA-INDICAÇÕES”).

Inibidor de MAO-A reversível seletivo (moclobemida)

A combinação da vortioxetina com um inibidor de MAO-A reversível e seletivo, como a moclobemida, é contra indicada (vide seção “CONTRA-INDICAÇÕES”). Caso a combinação seja necessária, o medicamento adicional deve ser administrado na dose mínima e sob monitoramento clínico minucioso para a Síndrome Serotoninérgica (vide a seção “ADVERTÊNCIAS E PRECAUÇÕES”).

IMAO reversível, não seletivo (linezolida)

A combinação da vortioxetina com um IMAO reversível e não-seletivo fraco, como o antibiótico linezolida, é contra indicada (vide seção “CONTRA-INDICAÇÕES”). Caso a combinação seja necessária, o medicamento adicional deve ser administrado na dose mínima e sob monitoramento clínico minucioso para Síndrome Serotoninérgica (vide a seção “ADVERTÊNCIAS E PRECAUÇÕES”).

Inibidores de MAO-B irreversíveis, seletivos (selegilina, rasagilina)

Embora se espere um risco menor de Síndrome Serotoninérgica com inibidores de MAO-B seletivos do que com inibidores de MAO-A, a combinação da vortioxetina com inibidores de MAO-B seletivos, como a selegilina ou a rasagilina deve ser exercida com cuidado. O monitoramento minucioso para a Síndrome Serotoninérgica é necessário em caso de uso concomitante (vide a seção “ADVERTÊNCIAS E PRECAUÇÕES”).

Produtos medicinais serotoninérgicos

A administração conjunta de medicamentos com efeito serotoninérgico (ex.: tramadol, sumatriptano e outros triptanos) pode levar à Síndrome Serotoninérgica (vide a seção “ADVERTÊNCIAS E PRECAUÇÕES”).

Erva de São João

O uso concomitante de antidepressivos com efeito serotoninérgico e medicamentos fitoterápicos a base de Erva de São João (Hypericum perforatum) pode resultar em maior incidência de reações adversas, incluindo Síndrome Serotoninérgica (vide a seção “ADVERTÊNCIAS E PRECAUÇÕES”).

Produtos medicinais que reduzem o limiar de convulsão

Antidepressivos com efeito serotoninérgico podem reduzir o limiar de convulsão. Aconselha-se cuidado ao usar concomitantemente outros produtos medicinais capazes de reduzir o limiar de convulsão (ex.: antidepressivos [tricíclicos, ISRS, IRSN], neurolépticos [fenotiazinas, tioxantenos e butirofenonas], mefloquina, bupropiona, tramadol) (vide a seção “ADVERTÊNCIAS E PRECAUÇÕES”).

ECT (terapia eletroconvulsiva)

Não há experiência clínica com a administração concomitante da vortioxetina e ECT, portanto, aconselha-se cuidado.

Inibidores do citocromo P450

A exposição à vortioxetina aumentou 2,3-vezes em relação à Área Sob a Curva (AUC) quando a vortioxetina 10 mg/dia foi administrada em conjunto com bupropiona (um inibidor de CYP2D6 potente, na dose de150 mg duas vezes ao dia) por 14 dias em indivíduos saudáveis. A co-administração resultou em um aumento na incidência de eventos adversos quando a bupropiona foi adicionada à vortioxetina em comparação com quando a vortioxetina foi adicionada à bupropiona. Dependendo da reação individual do paciente, uma dose mais baixa da vortioxetina pode ser considerada se inibidores potentes de CYP2D6 (ex.: bupropiona, quinidina, fluoxetina, paroxetina) forem adicionados ao tratamento com a vortioxetina (vide a seção “POSOLOGIA E MODO DE USAR”).

Quando a vortioxetina foi co-administrada após 6 dias de cetoconazol 400 mg/dia (um inibidor de CYP3A4/5 e de P-glicoproteína) ou 6 dias de fluconazol 200 mg/dia (um inibidor de CYP2C9, CYP2C19 e CYP3A4/5) em indivíduos saudáveis, um aumento de 1,3-vezes e de 1,5-vezes, respectivamente, na AUC foi observado. Nenhum ajuste de dose é necessário.

Não foi observado nenhum efeito inibitório de uma dose única de 40 mg de omeprazol (inibidor da CYP2C19) na farmacocinética de múltiplas doses de vortioxetina em indivíduos saudáveis.

A co-administração de inibidores fortes das enzimas CYP3A4 e CYP2C9 a metabolizadores pobres da CYP2D6, não foi especificamente investigada, mas prevê-se que levará a um aumento da exposição à vortioxetina nestes pacientes (vide seção “FARMACOCINÉTICA”).

Indutores do citocromo P450

Quando uma dose única de 20 mg da vortioxetina foi co-administrada após 10 dias de rifampicina 600 mg/dia (um pan-indutor de isoenzimas CYP) em indivíduos saudáveis, uma redução de 72% em AUC da vortioxetina foi observada. Dependendo da reação individual do paciente, um ajuste na dose pode ser considerado se um pan-indutor do citocromo P450 (ex.: rifampicina, carbamazepina, fenitoína) for adicionado ao tratamento com vortioxetina (vide a seção “POSOLOGIA E MODO DE USAR”).

Álcool

Nenhum efeito sobre a farmacocinética da vortioxetina ou do etanol e nenhum comprometimento significativo em relação ao placebo, na função cognitiva, foi observado quando doses únicas da vortioxetina de 20 e 40 mg foram co- administradas com uma dose única de etanol a (0,6 g/kg) em indivíduos saudáveis.

Ácido acetil salicílico

Não foi observado nenhum efeito de múltiplas doses de ácido acetil salicílico 150 mg/dia na farmacocinética de múltiplas doses da vortioxetina em indivíduos saudáveis.

POTENCIAL DA VORTIOXETINA EM AFETAR OUTROS MEDICAMENTOS

Medicamentos anticoagulantes e antiplaquetários

Nenhum efeito significativo, relacionado ao placebo, foi observado nos valores de INR, protrombina ou R-/S-varfarina plasmática após a administração conjunta de múltiplas doses da vortioxetina com doses estáveis de varfarina em indivíduos saudáveis. Além disso, nenhum efeito inibitório significativo, relacionado ao placebo, sobre a agregação plaquetária ou na farmacocinética oe ácido acetil salicílico ou ácido salicílico foi observado quando 150 mg/dia de ácido acetil salicílico foi co-administrado após a administração de múltiplas doses da vortioxetina em indivíduos saudáveis. No entanto, com relação a outros medicamentos serotoninérgicos, deve-se ter cuidado quando a vortioxetina for combinada a medicamentos anticoagulantes ou antiplaquetários orais devido a um aumento em potencial no risco de sangramento, que pode ser atribuída à interação farmacodinâmica (vide a seção “ADVERTÊNCIAS E PRECAUÇÕES”).

INTERAÇÕES FARMACOCINÉTICAS POTENCIAIS

Substratos de citocromo P450

In vitro, a vortioxetina não demonstrou nenhum potencial relevante para inibição ou indução e isoenzimas do citocromo P450 (vide a seção “CARACTERÍSTICAS FARMACOLÓGICAS”).

Após múltiplas doses de vortioxetina nenhum efeito inibidor foi observado em indivíduos saudáveis para as isoenzimas do citocromo P450 CYP2C19 (omeprazol, diazepam), CYP3A4/5 (etinil estradiol, midazolam), CYP2B6 (bupropiona) CYP2C9 (tolbutamida, S-varfarina), CYP1A2 (cafeína), ou CYP2D6 (dextrometorfano).

Não foram observadas interações farmacodinâmicas. Nenhum comprometimento significativo, em relação ao placebo, na função cognitiva foi observado para a vortioxetina após a co-administração com dose única de 10 mg de diazepam. Não foram observados efeitos significativos, com relação ao placebo, nos níveis dos hormônios sexuais após a co-administração de vortioxetina com contraceptivo oral combinado (etinilestradiol 30 μg/ levonorgestrel 150 μg).

Lítio, triptofano

Nenhum efeito clinicamente relevante foi observado durante a exposição ao lítio em estado de equilíbrio após a administração conjunta com múltiplas doses da vortioxetina em indivíduos saudáveis. No entanto, houve relatos de efeitos aumentados quando antidepressivos com efeito serotoninérgico foram administrados em conjunto com lítio ou triptofano, portanto, o uso concomitante da vortioxetina com esses produtos medicinais deve ser realizado com cuidado.

Ação da Substância

RESULTADOS DE EFICÁCIA

DADOS DE SEGURANÇA PRÉ-CLÍNICA

A administração da vortioxetina nos estudos de toxicidade geral em camundongos, ratos e cães foi principalmente associada com sinais clínicos relacionados ao sistema nervoso central (SNC). Estes incluem salivação (ratos e cães), dilatação das pupilas (cães), e um episódio de convulsão em cada um dos dois cães. Um nível sem-efeito para convulsões foi estabelecido com a margem de segurança correspondente de 5, considerando a dose terapêutica máxima recomendada de 20 mg/dia. A toxicidade de órgão-alvo foi restrita aos rins (ratos) e ao fígado (camundongos e ratos). As alterações nos rins dos ratos (glomerulonefrite, obstrução tubular renal, material cristalino no túbulo renal) e no fígado dos camundongos e ratos (hipertrofia hepatobiliar, necrose hepatóxica, hiperplasia do duto biliar, material cristalino nos dutos biliares) foram observados em exposição 10 vezes maior (camundongos) e 2 vezes maior (ratos) que a exposição humana na dose terapêutica máxima recomendada de 20 mg/ dia. Estes achados foram principalmente atribuídos à obstrução específica nos roedores, por material cristalino relacionado à vortioxetina, dos túbulos renais e os dutos da bile, respectivamente, e consideradas de baixo risco a humanos.

A vortioxetina não foi genotóxica em uma bateria padrão de testes in vitro e in vivo.
Com base nos resultados de estudos convencionais de carcinogenicidade de 2 anos em camundongos ou ratos, não se considera que a vortioxetina ofereça um risco de carcinogenicidade a humanos.

A vortioxetina não teve efeito sobre a fertilidade de ratos, desempenho de acasalamento, órgãos reprodutivos ou sobre a morfologia e motilidade do esperma. A vortioxetina não foi teratogênica em ratos ou coelhos, mas foi observada toxicidade reprodutiva em termos de efeitos sobre o peso fetal e atraso na ossificação em ratos em exposição 10 vezes maior que a exposição humana na dose terapêutica máxima recomendada de 20 mg/ dia. Efeitos similares foram observados em coelhos em exposição sub-terapêutica.

Em um estudo pré e pós-natal em ratos, a vortioxetina foi associada com aumento na mortalidade de filhotes, redução no ganho de peso corporal e atraso no desenvolvimento de filhotes em doses que não resultaram em toxicidade materna e com exposições associadas semelhantes às obtidas em humanos após a administração de vortioxetina 20 mg/dia.

Material relacionado à vortioxetina foi distribuído ao leite de ratas lactantes.

Em estudos de toxicidade juvenil em ratos, todas as descobertas relacionadas ao tratamento com a vortioxetina foram consistentes com as observadas em animais adultos.

ESTUDOS EM HUMANOS

EFICÁCIA E SEGURANÇA CLÍNICA

A eficácia e a segurança da vortioxetina foram estudadas em um programa clínico no transtorno depressivo maior (TDM) que incluiu aproximadamente 10.000 pacientes no total, dos quais mais de 6.200 foram tratados com a vortioxetina. O programa incluiu 12 estudos de curto prazo placebo-controlados, 3 estudos de curto-prazo com comparadores ativos (agomelatina, escitalopram e venlafaxina), 1 estudo de longo prazo de prevenção de recaída e 5 estudos abertos de longo prazo.

Eficácia no TDM em estudos de curto-prazo, placebo-controlados

A eficácia da vortioxetina foi demonstrada em pelo menos um grupo de dose em 9 dos 12 estudos de curto-prazo placebo-controlados, como mensurado pela melhora da pontuação total na Escala de Avaliação da Depressão de Montgomery e Åsberg (MADRS) ou na Escala de Avaliação de Depressão de Hamilton de 24-itens (HAM-D24), e apoiada pela relevância clínica, conforme demonstrado pelas proporções de respondedores, de remitentes e pela melhora na pontuação da Impressão Clínica Global – Melhora (CGI-I).

A eficácia da vortioxetina aumentou com o aumento da dose. Além disso, a vortioxetina, no intervalo de dose de 5- 20 mg/dia, demonstrou eficácia sobre uma ampla faixa de sintomas depressivos (avaliados pela melhora de todas as pontuações individuais na MADRS) e sobre os sintomas de ansiedade na depressão (avaliados usando a pontuação total na Escala de Hamilton-Ansiedade, HAM-A) .

Eficácia e tolerabilidade no TDM em estudos de curto-prazo, com comparadores ativos

A vortioxetina demonstrou vantagens em relação a antidepressivos em 3 estudos com comparadores ativos.

Pacientes com resposta inadequada ao tratamento com ISRS/IRSN

Em um estudo comparativo de 12 semanas duplo-cego, de doses flexíveis, em pacientes com depressão moderada a grave que trocaram o tratamento antidepressivo após uma resposta inadequada no episódio atual a um ISRS/IRSN, a vortioxetina 10-20 mg/dia foi significativamente melhor que a agomelatina 25-50 mg/dia, conforme avaliado pela melhora da pontuação total na MADRS. A relevância clínica foi apoiada pela proporção de remitentes e pela melhora das pontuações na CGI-I e na Escala de Incapacidade de Sheehan (SDS).

Estudo comparativo versus venlafaxina

Em um estudo comparativo de 8 semanas, duplo-cego, dose-fixa, em pacientes com depressão moderada a grave, a vortioxetina 10 mg/dia foi pelo menos tão efetiva quanto a venlafaxina XR 150 mg/dia, conforme avaliado pela melhora da pontuação total na MADRS. A relevância clínica foi apoiada pela proporção de remitentes e melhora das pontuações nas escalas CGI-I e SDS.

Pacientes com disfunção sexual emergente do tratamento na depressão

Em um estudo comparativo de 8 semanas, duplo-cego, de doses-flexíveis, em pacientes com baixos níveis de sintomas depressivos (pontuação na escala de Impressão Clínica Global – Gravidade [CGI-S] < 3 ao início) e com disfunção sexual emergente do tratamento (TESD) e induzida por ISRS, a vortioxetina 10-20 mg/dia foi significativamente melhor do que o escitalopram 10-20 mg/dia na melhora da TESD induzida por ISRS, conforme mensurado pela mudança na pontuação total do Questionário de Mudanças no Funcionamento Sexual- Versão Breve (CSFQ-14). Os pacientes em ambos os grupos de tratamento tiveram uma manutenção similar do efeito antidepressivo.

Manutenção

A manutenção da eficácia antidepressiva foi demonstrada em um estudo de prevenção de recaída. Pacientes em remissão após um período inicial de tratamento aberto de 12 semanas com a vortioxetina foram randomizados para vortioxetina 5 ou 10 mg/dia ou placebo e observados quanto à recaída durante um período duplo-cego de pelo menos 24 semanas (24 a 64 semanas). A vortioxetina foi superior (p=0,004) ao placebo na medida primária de eficácia, o tempo para recaída no TDM, com uma proporção de risco de 2; ou seja, o risco de recaída foi duas vezes maior no grupo do placebo do que no grupo da vortioxetina.

Idosos

No estudo duplo-cego, controlado por placebo, de 8 semanas, de doses fixas em pacientes idosos (idade ≥ 65 anos) deprimidos, a vortioxetina 5 mg/dia foi superior ao placebo conforme medido pela melhora das pontuações totais na MADRS e na HAM-D 24.
No intervalo de dose de 5 a 20 mg/dia da vortioxetina, a eficácia e a tolerabilidade nos idosos esteve de acordo com os resultados na população adulta.

Pacientes com depressão grave ou níveis elevados de sintomas de ansiedade

A eficácia antidepressiva também foi demonstrada em pacientes gravemente deprimidos (pontuação total na MADRS ≥30 ao início) e em pacientes deprimidos com nível elevado de sintomas ansiosos (pontuação total HAM- A ≥20 ao início) nos estudos de curto prazo, o que incluiu o estudo em idosos, e no estudo de prevenção de recaída de longo prazo.

Disfunção cognitiva em depressão

Em um estudo de curto prazo em TDM em idosos (≥65 anos de idade), a vortioxetina (5 mg/dia) demonstrou efeitos positivos com relação ao placebo em um teste neuropsicológico de função executiva, velocidade de processamento e atenção, o Teste de Substituição de Símbolos por Dígitos (DSST) e em um teste de aprendizado e memória, o Teste de Aprendizado Auditivo-verbal de Rey (RAVLT), enquanto a referência ativa, duloxetina, se diferenciou do placebo somente no RAVLT.

Além disso, a vortioxetina foi superior ao placebo em uma gama de testes neuropsicológicos envolvendo os processos cognitivos mencionados acima em um estudo no TDM em adultos (≤65 anos de idade). A vortioxetina (10 e 20 mg/dia) foi superior ao placebo em uma medida de resultado primária, uma pontuação composta de cognição que compreende os dois testes neuropsicológicos, o DSST e o RAVLT. Uma melhoria no desempenho foi observada em todas as medidas secundárias de desempenho cognitivo e no relato da evolução da função cognitiva do paciente. Em ambos os estudos, o efeito da vortioxetina no desempenho cognitivo foi em grande parteum efeito independente e não um efeito indireto através da melhoria dos sintomas depressivos.

Qualidade de vida relacionada à saúde e funcionamento geral

A vortioxetina foi superior ao placebo na qualidade de vida relacionada à saúde, conforme avaliado usando-se o Resumo de Componentes Mentais de 36 itens (SF-36) e as pontuações total e de satisfação de vida do Questionário de Bem-estar, Satisfação e Qualidade de Vida . Isso foi embasado pelas melhoras clinicamente relevantes na classificação de saúde geral conforme mensurado usando-se o EQ-5D (índice EuroQol) e no funcionamento geral conforme avaliado pela pontuação total na Escala de Incapacidade de Sheehan (SDS) nas áreas de trabalho, vida social e vida familiar versus placebo ou comparador ativo (agomelatina). Além disso, os efeitos superiores em relação ao placebo sobre a qualidade de vida relacionada à saúde foram mantidos no estudo de longa-duração de prevenção de recaída.

Tolerabilidade e segurança

A segurança e a tolerabilidade da vortioxetina foram estabelecidas em estudos de curto e longo prazos ao longo do intervalo de dose de 5 a 20 mg/dia1-5. Vide a seção “REAÇÕES ADVERSAS” quanto a informações sobre efeitos indesejáveis.
A vortioxetina não aumentou a incidência de insônia ou sonolência em relação ao placebo.

Em estudos clínicos de curto e longo prazo controlados por placebo, os potenciais sintomas de descontinuação foram sistematicamente avaliados após a interrupção abrupta do tratamento com a vortioxetina. Não houve diferenças clinicamente relevantes ao placebo na incidência ou natureza dos sintomas de descontinuação após o tratamento de curto prazo (6-12 semanas) ou de longo prazo (24-64 semanas) com a vortioxetina.

A incidência de reações sexuais adversas relatadas pelos pacientes foi baixa e semelhante a do placebo em estudos clínicos de curto e longo prazo com a vortioxetina. Em estudos que usaram a Escala de Experiência Sexual do Arizona (ASEX), a incidência de disfunção sexual emergente do tratamento (TESD) e a classificação total do ASEX não demonstraram diferenças significativas com relação ao placebo em sintomas de disfunção sexual para doses de 5-20 mg/dia, entretanto doses mais elevadas foram associadas com um aumento numérico na TESD.

A vortioxetina não teve efeitos, em relação ao placebo, sobre o peso corporal, frequência cardíaca e pressão arterial em estudos clínicos de curto e longo prazo.

Nenhuma alteração clinicamente significativa foi observada em avaliações hepáticas e renais em estudos clínicos.

A vortioxetina não demonstrou nenhum efeito clinicamente significativo sobre parâmetros de ECG, incluindo os intervalos de QT, QTc, PR e QRS, em pacientes com transtorno depressivo maior (TDM). Em um estudo dedicado ao QTc em indivíduos saudáveis em doses de até 40 mg diariamente, nenhum potencial para o prolongamento do intervalo de QTc foi observado.

População pediátrica

Não foram realizados estudos clínicos com o uso deste medicamento em crianças e adolescentes, portanto a segurança e eficácia deste medicamento na população pediátrica não foram estabelecidas (vide a seção “POSOLOGIA E MODO DE USAR”).

  • Referências
    • Alvarez E et al. Int J Neuropsychopharmacol. 2012 Jun;15(5):589-600.
    • Henigsberg N et al. J Clin Psychiatry. 2012 Jul;73(7):953-9.
    • Boulenger JP et al. J Psychopharmacol. 2012 Nov;26(11):1408-16.
    • Katona C et al. Int Clin Psychopharmacol. 2012 Jul;27(4):215-23.
    • McIntyre RS et al. Int J Neuropsychopharmacol. 2014; 17(10): 1557-1567.
    • Montgomery SA et al. Hum Psychopharmacol. 2014 Sep;29(5):470-82.
    • Wang G et al. Curr Med Res Opin. 2015; 31(4): 785-794.

CARACTERÍSTICAS FARMACOLÓGICAS

FARMACODINÂMICA

MECANISMO DE AÇÃO

O mecanismo de ação da vortioxetina está relacionado com a modulação direta da atividade de receptores serotoninérgicos e a inibição do transportador de serotonina (5-HT). Dados pré-clínicos indicam que a vortioxetina é uma antagonista dos receptores 5-HT3, 5-HT7, e 5-HT1D, agonista parcial do receptor 5-HT1B, agonista do receptor 5-HT1A e inibidora do transportador de 5-HT, levando à modulação da neurotransmissão em diversos sistemas, o que inclui os sistemas de serotonina, noradrenalina, dopamina, histamina e acetilcolina, GABA e glutamato. Acredita-se que essa atividade multimodal seja responsável pelos efeitos ansiolítico e antidepressivo, e pela melhora da função cognitiva, aprendizado e memória observada com a vortioxetina nos estudos em animais. Além disso, um estudo comportamental não clínico em animais machos indica que a vortioxetina não induz disfunção sexual. Entretanto, a contribuição precisa dos alvos individuais para o perfil farmacodinâmico observado permanece obscura e é necessário cautela na extrapolação de dados de animais diretamente para humanos.

Em humanos, dois estudos de tomografia de emissão de pósitron (PET) foram conduzidos usando-se ligantes de transportador de 5-HT (11C-MADAM ou 11C-DASB) para quantificar a ocupação dos transportadores 5-HT no cérebro com diferentes doses. A média da ocupação dos transportadores de 5-HT nas regiões de interesse específicas foi de aproximadamente 50% com 5 mg/dia, 65% com 10 mg/dia e aumentou para mais de 80% com 20 mg/dia. A vortioxetina demonstrou efeitos antidepressivos clínicos em ocupações dos transportadores de 5-HT tão baixas como 50%.

FARMACOCINÉTICA

ABSORÇÃO

A vortioxetina é lentamente absorvida após a administração oral e o pico da concentração plasmática é alcançado dentro de 7 a 11 horas. Após múltiplas doses de 5, 10, ou 20 mg/dia, valores médios de Cmax de 9 a 33 ng/mL foram observados. A biodisponibilidade absoluta é de 75%. Nenhum efeito dos alimentos sobre a farmacocinética foi observado.

DISTRIBUIÇÃO

O volume médio de distribuição (Vss) é de 2.600 L, o que indica uma extensa distribuição extravascular. A vortioxetina é altamente ligada às proteínas plasmáticas (98 a 99%) e a ligação parece ser independente das concentrações plasmáticas da vortioxetina.

BIOTRANSFORMAÇÃO

A vortioxetina é amplamente metabolizada no fígado primariamente através da oxidação, com subsequente conjugação de ácido glucurônico.
In vitro, as isoenzimas do citocromo P450 CYP2D6, CYP3A4/5, CYP2C19, CYP2C9, CYP2A6, CYP2C8 e CYP2B6 estão envolvidas no metabolismo da vortioxetina.

Nenhum efeito inibidor ou indutor da vortioxetina foi observado in vitro quanto às isoenzimas de CYP CYP1A2, CYP2A6, CYP2B6, CYP2C8, CYP2C9, CYP2C19, CYP2D6, CYP2E1, ou CYP3A4/5. A vortioxetina é um inibidor e substrato pobre de glicoproteína P (P-gp).
O principal metabólito da vortioxetina é farmacologicamente inativo.

ELIMINAÇÃO

A meia-vida de eliminação média e a depuração oral são de 66 horas e 33 L/h, respectivamente. Aproximadamente 2/3 do metabólito inativo da vortioxetina são excretados na urina e aproximadamente 1/3 nas fezes. Apenas quantidades insignificantes da vortioxetina são excretadas nas fezes. Concentrações plasmáticas de estado de equilíbrio são obtidas em aproximadamente 2 semanas.

LINEARIDADE/NÃO LINEARIDADE

A farmacocinética é linear e independente do tempo no intervalo da dose estudada (2,5 a 60 mg/dia).

Em concordância com a meia-vida, o índice de acúmulo é 5 a 6 baseado na AUC0-24h após doses múltiplas de 5 a 20 mg/dia.

POPULAÇÕES ESPECIAIS

Idosos

Em indivíduos idosos saudáveis (com idade ≥65 anos; n=20), a exposição à vortioxetina aumentou em até 27% (Cmax e AUC) em comparação com indivíduos controle jovens e saudáveis (idade ≤45 anos) após múltiplas doses de 10 mg/dia. Nenhum ajuste na dose é necessário (vide a seção “POSOLOGIA E MODO DE USAR”).

Comprometimento renal

Após uma dose única de 10 mg da vortioxetina, o comprometimento renal estimado usando-se a fórmula de Cockcroft-Gault (leve, moderado ou grave; n=8 por grupo), causou aumentos modestos de exposição (até 30%), em comparação com controles saudáveis combinados. Em pacientes com doença renal em estágio final, apenas uma pequena fração da vortioxetina foi perdida durante o processo de diálise (AUC e Cmax foram 13% e 27% menores; n=8) após uma dose única de 10 mg da vortioxetina . Nenhum ajuste na dose é necessário (vide a seção “ADVERTÊNCIAS E PRECAUÇÕES”).

Comprometimento hepático

Após uma dose única de 10 mg da vortioxetina , nenhum impacto do comprometimento hepático leve a moderado (Critérios de Child-Pugh A ou B; n=8 por grupo) foi observado sobre a farmacocinética da vortioxetina (alterações na AUC foram menores que 10%). Nenhum ajuste na dose é necessário. A vortioxetina não foi estudada em pacientes com comprometimento hepático grave e é necessário cautela no tratamento destes pacientes. (vide a seção “POSOLOGIA E MODO DE USAR”).

Metabolizadores pobres de CYP2D6

A concentração plasmática da vortioxetina foi aproximadamente duas vezes maior em metabolizadores pobres de CYP2D6 que em metabolizadores extensivos. Na presença de inibidores da CY3A4/ 2C9, a exposição pode ser potencialmente maior (vide seção “INTERAÇÕES MEDICAMENTOSAS”). Assim como para todos os pacientes, dependendo da resposta individual, um ajuste da dose deve ser considerado. (vide a seção “POSOLOGIA E MODO DE USAR”).

Cuidados de Armazenamento

Guardar o Brintellix em temperatura ambiente (entre 15°C e 30°C).
Proteger a embalagem da umidade e do calor.
O prazo de validade do Brintellix é de 24 meses e encontra-se gravado na embalagem externa. Em caso de vencimento, inutilizar o produto.

Número de lote e datas de fabricação e validade: vide embalagem.
Não use medicamento com o prazo de validade vencido. Guarde-o em sua embalagem original.

Aspecto físico do brintellix

Brintellix 10 mg: Comprimido amarelo, em forma de amêndoa, com 5 x 8,4 mm, revestidos com filme, com “TL” gravado de um lado e “10” do outro.

Características organolépticas brintellix

não tem cheiro ou gosto.

Antes de usar, observe o aspecto do medicamento. Caso ele esteja no prazo de validade e você observe alguma mudança no aspecto, consulte o farmacêutico para saber se poderá utilizá-lo.

Todo medicamento deve ser mantido fora do alcance das crianças

Mensagens de Alerta

Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista.

Dizeres Legais

Reg. MS n°:
1.0475.0052.004-8
1.0475.0052.005-6

Farm. Resp.: Michele Medeiros Rocha – CRF-RJ 9597

Fabricado e embalado por H.Lundbeck A/S. – Valby,– Dinamarca Importado e Distribuído por Lundbeck Brasil Ltda.
Rua Maxwell, 116 – Rio de Janeiro – RJ
CNPJ: 04.522.600/0002-51

Central de Atendimento: 0800-282-4445

Avaliação dos clientes

0 avaliaçõesNone
cancelar
  • :(Ops!Sua sacola está vazia